Dia da Consciência Negra: 'Estudos e muito sofrimento resultaram na minha aprovação', diz estudante que viralizou ao comemorar 1° lugar em Medicina

  • 20/11/2023
(Foto: Reprodução)
Stephanie Mendes entrou na Universidade Estadual de Maringá (UEM) pela Lei de Cotas, que vale desde 2012 e amplia acesso da população negra ao ensino superior. Jovem chora de emoção ao ser aprovada em 1° lugar em medicina na UEM A jovem Stephanie Mendes, 19 anos, defende o sistema de cotas raciais como ferramenta de acesso para pessoas negras no ensino superior. Ela acabou de ser aprovada em 1º lugar no vestibular de Medicina da Universidade Estadual de Maringá (UEM), norte do Paraná, e se tornou a mais nova cotista da instituição. A reação dela comemorando a aprovação viralizou nas redes sociais. Em um vídeo, ela chora ao ver o próprio nome em 1° lugar na lista. Em seguida, abraça o avô, que a parabeniza. Assista acima. ✅ Siga o canal do g1 PR no WhatsApp ✅ Siga o canal do g1 PR no Telegram Para Stephanie, ser aprovada no sistema de cotas raciais, é uma chance de poder dar voz a uma minoria social. A Lei de Cotas, aprovada em 2012, é resultado de uma longa mobilização dos movimentos sociais para ampliar o acesso da população negra ao ensino superior. "É essencial para que tenha mais rostos negros na faculdade porque nós [negros] somos muito silenciados ainda. Eu acredito que é muito positivo e defendo o sistema de cotas", disse a estudante. O resultado do Vestibular de Inverno 2023 da UEM foi divulgado em setembro, mas o viral de Stephanie aconteceu há pouco tempo, no início de novembro. Moradora da periferia de Maringá e estudante de escola pública, a jovem opinou que a boa educação em sala de aula é combustível para a formação do aluno. Segundo a agora universitária, a conquista dela foi fruto de muita dedicação e persistência. "Foi emocionante saber que foram anos de estudos e muito sofrimento resultaram na minha aprovação, que foi algo que lutei tanto", disse. Jovem chora de emoção ao ser aprovada em 1° lugar em medicina na UEM Arquivo pessoal Leia também: Dia da Consciência Negra: Após filha ser vítima de racismo, mulher cria coletivo de mães negras Jogo do Tigrinho: Polícia mira grupo envolvido com jogos de azar Crime: Imagens mostram travesti sendo baleada em rua de Curitiba Voz para a comunidade negra Sara Araújo e Stephanie Mendes Arquivo pessoal Nesta segunda-feira (20), Dia da Consciência Negra, Stephanie foi convidada pela socióloga e defensora da causa negra, Sara Araújo, para falar com os alunos do Colégio Brasílio Itiberê, em Maringá. A palestra abordou a importância da luta e dos direitos sociais. "É um tema muito importante para darmos voz à comunidade negra. Muitas vezes a gente se depara em contextos que a gente acha que não é possível em passar em universidade. Aqui provo que é possível, sim", disse. Apoio da família A caloura, que mora com os avós, disse que a família teve papel importante para dar continuidade em seguir com o objetivo de realizar o sonho de cursar medicina. "Meus avós me incentivaram sempre, mesmo terem falado no início que seria impossível, mas eu provei com a minha persistência que não é”, falou. A jovem contou que se dedica aos estudos desde criança. Na rotina, a leitura e o investimento em cursinhos sempre foram prioridades. "A educação em geral, independente do contexto particular ou público, ela muda e transforma realidades", disse Após filha de 3 anos ser vítima de racismo, mulher cria coletivo de mães negras em Curitiba: 'Racismo enraizado e perverso' Jovem chora de emoção ao ser aprovada em 1° lugar em medicina na UEM Arquivo pessoal Mais assistidos do g1 PR Leia mais em g1 Norte e Noroeste.

FONTE: https://g1.globo.com/pr/norte-noroeste/noticia/2023/11/20/essencial-para-mais-rostos-negros-na-faculdade-diz-estudante-cotista-aprovada-em-1o-lugar-em-medicina-na-uem.ghtml


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Peça Sua Música

Anunciantes